Porque abandonei as panelas antiaderentes de Teflon?

Teflon silencioso veneno.jpgteflon-gh-10-01-1965-244

Quando comecei a utilizar as panelas de Teflon, fiquei encantada, nada pegava, ovos fritos, panquecas e crepes saíam sempre bem. As frigideiras antigas começaram a dar lugar aquelas maravilhas antiaderentes. Assumiram um lugar privilegiado na cozinha, serviam para cozinhar quase tudo. Ora porque não? Nada pegava e a ideia de facilitismo era música para os meus ouvidos. Com o passar do tempo, ia surgindo um risquinho aqui, outro ali, mas continuavam a cumprir o seu objetivo: cozinhar sem colar!

Porém, tal como toda a paixão acaba, o meu encantamento pelo Teflon começou a murchar quando ouvi o Dr. Lair Ribeiro dizer:

Quando a panela de teflon é aquecida libera teflon e gases prejudiciais à saúde.

Como assim? Então aquelas panelas tão práticas são prejudiciais??? Tinha de saber mais…

Teflon o que é.jpg

O Teflon é o nome comercial do polímero Politetrafluoretileno ou PTFE, o qual é marca registada da empresa DuPont. É utilizado como lubrificante e revestimento de diversas superfícies, mas pelas suas propriedades antiaderentes (repele água, gordura e nódoas) tornou-se muito popular como revestimento de panelas e frigideiras.

Porém o  Teflon, ao ser submetido a calor começa a degradar-se e a libertar outros PFC (compostos químicos perfluorados – o próprio teflon é um PFC). Tal situação foi comprovada por diversos estudos feitos ao longo de mais de 50 anos e revistos pelo Environmental Working Group.

Dos compostos libertados pelo Teflon, existem:

  • PFOS (ácido perfluoro-octanossulfônico): 14 gases e partículas, tóxicos ou cancerígenos, dos quais destacam-se pela extrema toxicidade:
    • PFIB (perfluoroisobuteno), agente de guerra química 10 vezes mais tóxico do que o fosgênio utilizado na 1ª e 2ª Guerra Mundial;
    • COF2 (fluoreto de carbonila) análogo ao flúor fosgênio;
    • AMF ou MFA (monofluoroacetate) gás mortal mesmo em doses baixas;
    • HF (ácido fluorídrico) gás altamente corrosivo;
    • TFE (tetrafluoretileno) carcinogénico.
  • PFOA (ácido perfluoro-octanoico)– toxina que acarreta problemas no fígado, sistema imunológico, defeitos de nascença e potencial carcinogénico. É libertado caso tenha sido usado na fabricação do revestimento teflon. Todavia caso não tenha sido usado, os seus substitutos como GenX também têm historial  igualmente tóxico.

Convém, ressaltar que a maioria dos gases tóxicos libertados pelo teflon não tem cheiro, nem cor.

Ok liberta tóxicos, mas a que temperatura?

Pássaros e Teflon.jpgEm testes de laboratório, ratos e pássaros morreram ao inalarem os gases libertados pelos teflon aquecido a 280ºC, sendo que houve diversos casos de canários e pássaros de estimação que morreram inadvertidamente por inalação de gases libertados pelo teflon ao pré-aquecer o forno a 163ºC.

Todavia, bastam 5 minutos em qualquer fogão para a frigideira de teflon atingir em média 360ºC. E aos 360ºC são libertados pelo menos 6 dos gases tóxicos, para além de aos 290ºC já ter libertado diversas partículas oxidadas.

Testes realizados pela EWG com medição da temperatura da superfície de frigideira de Teflon (ver o artigo aqui):

Testes EWG em frigideiras de Teflon.jpg

Na tabela abaixo pode observar uma comparação entre as temperaturas em que ocorre a libertação de partículas e gases tóxicos face às temperaturas atingidas pela superfície do teflon que está em contacto com a comida.

Degradação do Teflon com a temperatura.jpgIn http://static.ewg.org/reports/2003/canaries_in_the_kitchen/infographic_thermometer.pdf?_ga=2.155075195.270098441.1506077120-1487883010.1506077120

Nota: As temperaturas da tabela referem-se à temperatura atingida pela superfície das panelas ao cozinhar. Nada tem a ver com a temperatura da carne ao cozinhar ou do seu interior ao estar cozinhada, pois quando ela começa a cozinhar, a superfície da panela terá uma temperatura de 220ºC ou superior. Para saber mais sobre os pontos de cozimento da carne clique aqui, aqui e aqui.

Por outro lado, se formos analisar os pontos de fumaça dos diversos óleos e se compararmos com a tabela anterior, pode-se constatar mais uma vez que a situação é preocupante…

Teflon o que fica na comida

Na comida ficam as substâncias libertadas pelo Teflon. Para além de serem inaladas, passam para os alimentos e têm efeito acumulativo no organismo, podendo permanecer na corrente sanguínea durante 4 anos. Se houver um risco pequenino na frigideira, as emissões são multiplicadas por 1000!

E o que provoca na saúde a longo prazo?

A lista de problemas de saúde potenciados pelo teflon é longa, destacam-se os seguintes:

  • desequilíbrio hormonal (dificultando a perda de peso);
  • infertilidade;
  • defeitos de nascença;
  • doenças da tiróide;
  • problemas/alterações/doenças nos pulmões, cérebro, próstata, testículos, mamas, rins, pâncreas, fígado e timo;
  • problemas no sistema imunológico;
  • doenças crónicas;
  • cancro e tumores.

E agora???

Olhei para aquelas práticas frigideiras de teflon empilhadas na cozinha e pensei… que chatice… Tal qual lindas maçãs envenenadas, eram apelativas mas altamente prejudiciais. Ainda levei algum tempo para me desfazer delas, a última a abandonar o barco foi a frigideira de crepes…

Que frigideiras escolher.jpg

❌ Dado que o alumínio é prejudicial ao organismo e principalmente ao cérebro (ligado ao desenvolvimento de Alzheimer), era impensável esse tipo de panelas. Mesmo o alumínio anodizado tem potencial tóxico.

Já agora se utilizar papel de alumínio, coloque-o com a parte brilhante em contacto com a comida para não migrar alumínio para a comida. As indústrias apenas fazem polimento a um dos lados por ser mais em conta.

As frigideiras de cobre, também ficaram fora das opções, pois o cobre pode acarretar desconfortos estomacais e a longo prazo danos nos rins e fígado.

Assim, as mais comummente indicadas por diferentes médicos são as de:

✅ Cerâmica;
✅ Inox 18/10;
✅ Ferro fundido.

✅ Cerâmica

É a mais aconselhada.
Porém as frigideiras de cerâmica mais comuns são de alumínio e têm uma cobertura de cerâmica tão fina que em pouco tempo fica toda estalada. Entretanto achei umas no supermercado Lidl em inox com cobertura de cerâmica que me pareceram bem boas. Quanto à durabilidade, o tempo o dirá.

Pontos a ter atenção: escolha uma de qualidade pois pesquisas realizadas em Israel afirmam que a tinta presente em algumas panelas não certificadas pode conter chumbo ou cádmio, os quais desprendem-se durante o preparo dos alimentos.

✅ Inox 18/10

São as panelas e frigideiras que mais uso na base diária. Fui substituindo-as gradualmente. Se tiver dúvida sobre a qualidade de inox, basta fazer o teste do ímã: se o ímã ficar grudado no inox, não compre a frigideira, pois não é inox do bom.

Explicação sobre o Teste do Imã:
Aço inoxidável é uma liga de ferro com 18% crómio e 10%, 8% ou 0% de níquel.
O níquel é o metal que torna o aço inoxidável resistente à corrosão. Quanto menos níquel, mais frágil será a panela, havendo um maior desgaste e logo mais micro fragmentos na comida aí cozinhada.
Se o imã grudar significa que não tem níquel. No entanto há duas interpretações:
→ pouco níquel: é bom pois o níquel é de evitar;
→ pouco níquel: é ruim, pois é o níquel que dá resistência e durabilidade à panela.
Então talvez seja pior ingerir micro fragmentos de ferro e crómio a um ritmo mais acelerado do que ter níquel (a não ser que tenha efetivamente alergia declarada ao níquel e aí será melhor optar pelas de cerâmica).
Uma informação interessante que encontrei foi que o cobalto, ferro e níquel são os únicos metais que atraem ímãs. Então achei estranho uma panela com ferro e níquel não grudar o imã. Porém deduzo que como o ferro tem mais magnetismo que o níquel, então se a panela tiver menos níquel, terá mais ferro → mais atração → o imã gruda.
Avaliando a situação, a nível de inox e independentemente do imã, suponho que o melhor será o 18/10 de uma marca de confiança. Aliás, as marcas de qualidade (como Silampos) optam por panelas com 3 camadas de metal:
– a camada de contacto com o alimento, com aço inoxidável 18/10;
– a camada interna de alumínio para distribuir uniformemente o calor, pois o aço inoxidável não o consegue fazer;
– a camada externa de contacto com o lume em aço inoxidável ferrítico.
As panelas de menos qualidade usualmente têm apenas uma camada de aço inoxidável 18/10 ou 18/8 ou 18/0.

Pontos a ter atenção: escolha uma de qualidade.

✅ Ferro Fundido

Em relação a panelas de ferro, geralmente são desaconselhadas por largarem ferro, não tendo nenhum revestimento, sendo que quanto mais ácida for a comida, como tomates, maior a libertação de ferro. O ferro a mais para quem não precisa, vai fazer aumentar a ferritina no organismo, aumentando a produção de radicais livres e envelhecimento mais rápido, para além de poder despoletar doenças associadas com o aumento da ferritina. Por exemplo as mulheres têm menos enfartos até à menopausa porque  libertam ferro pela menstruação, então o excesso vai desaparecer.

No que toca a panelas de ferro, só vi duas opiniões a favor:

🌟 Dr. Mercola: apenas indica as de ferro fundido esmaltadas, devendo-se ter atenção à qualidade do esmalte. Apesar do esmalte ser apenas vidro em pó distribuído sobre a panela e cozido entre 650 e 850ºC (o vidro derrete e funde-se com a panela, criando um revestimento vítreo duradouro), podem haver contaminantes na tinta que dá a cor ao interior da panela.
Então pelo sim pelo não… é melhor optar por panelas de ferro fundido esmaltadas de qualidade como as da marca Le Creuset. Nunca usei, mas pode ver uma descrição da marca aqui (pág. 58 em português).

🌟 Homeopata Ivandélio Sanctus (desaconselha completamente as panelas de ferro normais): apenas indica as panelas de ferro fundido pretas, feitas à moda antiga como a Panela Mineira de Ferro Fundido. No entanto, essas panelas exigem alguns cuidados extra como por exemplo: depois de lavar, têm de voltar para o fogo para secar porque enferrujam se ficarem com água.
Como quando pensei em mudar de panelas, não encontrei essa marca por cá, acabei por não procurar a fundo outras marcas que poderiam ser confiáveis. Por outro lado, com a descrição dos senãos das panelas de ferro, não insisti na pesquisa e fiquei-me pelas de inox ou cerâmica.

Pontos a ter atenção: escolha uma de qualidade.

Para o Forno

Para o forno, utilizo, principalmente, vidro resistente ao calor ou formas 100% silicone (na hora de escolher formas de silicone, escolha apenas as que vêm certificadas como sendo 100% silicone – silicones muito baratos não certificados, podem conter plástico).


💡 A minha experiência com Inox 💡


No início foi um bocado stressante, até que me apercebi que tudo o que leva ovo (clara e gema de preferência misturadas) não cola no inox, desde que a temperatura esteja alta o suficiente.

COMO fazer crepes ou fritar ovos sem grudar?

1. Coloque o lume no médio e uma colher de chá de banha ou óleo de côco na frigideira (se for fazer crepes) ou 1 colher de sopa bem cheia (se for estrelar ovos).

2. Deixe aquecer bem. No caso dos crepes, para saber se já pode colocar a massa, ponha uma pinga da massa na frigideira e se esta não pegar está no ponto.
Talvez no início poderá ter de fazer uma ou duas tentativas até acertar no ponto, mas depois apanha-lhe o jeito. Tem de utilizar uma espátula também de inox, pois as espátulas ou colheres de melamina não servem.

Quando se coloca maior quantidade de óleo de côco ou banha na frigideira, pode-se observar o aparecimento de umas ondinhas. Geralmente quando essas ondinhas aparecem pode-se colocar a massa de crepes ou o ovo que já nada pega.
No óleo de côco as ondinhas aparecem por toda a frigideira, na banha aparece só nas bordas (no caso da banha, cuidado com os salpicos).
Contudo o teste de pingar a massa, será o mais viável.

3. Após começar a cozinhar, pode baixar o lume para baixo em caso de crepes ou outra temperatura conforme o que estiver a cozinhar.

Quanto a carne e peixe, continuei a cozinhar como antes e nunca grudou nem queimou nada.


Em suma, quem quer respirar e ingerir tóxicos, altamente nocivos, acumulativos e não biodegradáveis, libertados num simples ato de cozinhar?


Espero ter ajudado. Lígia

Artigos sobre substitutos do PFOA:

Artigos sobre a toxicidade do Teflon:

Teflon em Roupas e outros objetos

Vídeos sobre Teflon

Artigos sobre outros tipos de Panelas:

Cuidados a ter com panelas de ferro fundido:

Anúncios

14 thoughts on “Porque abandonei as panelas antiaderentes de Teflon?

  1. O teste com ímã na minha opinião é o contrário, se o ímã grudar bem a panela é boa, se é aço de verdade tem que atrair o imã, se não atrair é porque é outro material simplesmente cromado.

    Gostar

    1. Olá, muito obrigada pelo comentário 🙂 . Realmente quando escrevi este artigo, apenas retransmiti a dica do imã que me tinham dado. Fui pesquisar sobre isso e pelo que estive a ler, estas foram as conclusões a que cheguei:
      Aço inoxidável é uma liga de ferro com 18% crómio e 10%, 8% ou 0% de níquel.
      O níquel é o metal que torna o aço inoxidável resistente à corrosão. Quanto menos níquel, mais frágil será a panela, havendo um maior desgaste e logo mais micro fragmentos na comida aí cozinhada.
      Se o imã grudar significa que não tem níquel. No entanto há duas interpretações:
      → é bom pois o níquel é de evitar;
      → é ruim, pois o níquel é que dá resistência e durabilidade à panela.
      Então talvez seja pior ingerir micro fragmentos de ferro e crómio a um ritmo mais acelerado do que ter níquel.
      Uma informação interessante que encontrei foi que o cobalto, ferro e níquel são os únicos metais que atraem ímãs. Então achei estranho uma panela com ferro e níquel não grudar o imã. Porém deduzo que como o ferro tem mais magnetismo que o níquel, então se a panela tiver menos níquel, terá mais ferro → mais atração → o imã gruda.
      Avaliando a situação, a nível de inox e independentemente do imã, suponho que o melhor será o 18/10 de uma marca de confiança. Aliás, as marcas de qualidade optam por panelas com 3 camadas de metal:
      – a camada de contacto com o alimento, com aço inoxidável 18/10;
      – a camada interna de alumínio para distribuir uniformemente o calor, pois o aço inoxidável não o consegue fazer;
      – a camada externa de contacto com o lume em aço inoxidável ferrítico.
      As panelas de menos qualidade usualmente têm apenas uma camada de aço inoxidável 18/10 ou 18/8 ou 18/0.
      Atentamente Lígia

      Gostar

  2. Você conheceu a Royal Prestige? Garanto que seus problemas com liberação de metais pesados será resolvido com os nossos sistemas de saúde.Posso te apresentar ?

    Gostar

    1. Olá Marta, em Portugal a marca mais conhecida é a Silampos. Realmente não conheço a Royal Prestige. Para já não preciso de mais panelas, mas gostaria sim de receber mais informação sobre a marca. Obrigada.

      Gostar

  3. Boa tarde,

    gosto de seguir os seus posts a respeito de alimentação e saúde e já aprendi muito com a informação que disponibiliza no seu blog.
    Relativamente ao material antiaderente teflon que abundava na minha cozinha já consegui livrar-me da maioria, restando apenas a tal frigideira dos crepes e os assadores de carne ou peixe para fogão que ajudam imenso na hora de fazer os grelhados, mas até esses gostava de os eliminar de vez.
    Uma vez que é uma pessoa atenta a estas matérias, gostava de saber a sua opinião sobre uma frigideira de cobre que aparece agora com frequência nos anúncios de tv e que promete não permitir a aderência tal como uma durabilidade quase eterna. Daquilo que tem pesquisado sobre o assunto parece-lhe ser recomendável e sobretudo segura para a saúde?

    Grata pela sua atenção,
    Ana.

    Gostar

    1. Olá Ana, fiquei muito contente de saber que este artigo a ajudou 😍💖 Desculpe a resposta tardia, mas estive de férias e só voltei à internet hoje.
      Quanto às frigideiras de cobre, como não as conheço, não lhe sei responder com certeza absoluta. Porém dos médicos que costumo seguir, as panelas/frigideiras que mais indicam são as de inox ou cerâmica. Lembro-me de ter lido no site do Dr. Mercola que o cobre não é muito aconselhável e que pode causar alguns desconfortos. Na dúvida optaria mesmo por inox ou cerâmica.
      Realmente os assadores para fogão davam jeito, mas há umas frigideiras para grelhar em inox (é raro encontrá-las nos supermercados mas há em algumas lojas de utensílios de cozinha). Para não grudar convém colocar um bocado de gordura como banha de porco preto. Depois de grelhar realmente ficam escuras no fundo, mas se se colocar logo debaixo de água, torna-se fácil remover os resquícios queimados.
      Para grelhados no forno, utilizo um tabuleiro em inox com uma grelha que permite que a carne não fique em contacto com a gordura que se vai libertando durante o tempo de grelhar/assar no forno.
      Obrigada pelo comentário ❤️ Espero que tenha ajudado. Beijinhos 😘

      Gostar

      1. Obrigada pelas suas dicas Lígia, são muito úteis. Continuo no entanto sem conseguir encontrar à venda uma boa frigideira.
        Esta semana optei pela compra de uma de revestimento cerâmico da Home Creation vendida pelo Aldi, mas estou em dúvida se fiz uma boa compra.
        Entretanto encontrei referência a uma outra com Ferro mineral B element que diz ser feita de materiais naturais isentos de químicos. São materiais novos, acompanhados de muito marketing, com grandes promessas, mas na realidade não sabemos ao certo o que o seu uso prolongado poderá provocar a nível da nossa saúde. Confesso-me algo confusa.
        Beijinhos,
        Ana.

        Gostar

      2. Olá Ana, vi a frigideira de cerâmica do Aldi no folheto, parecia ter bom aspeto. Geralmente os produtos do Aldi e Lidl são de qualidade.
        Em relação a panelas de ferro, geralmente são desaconselhadas por largarem ferro, sendo que quanto mais ácida for a comida, como tomates, maior a libertação de ferro. O ferro a mais para quem não precisa, vai fazer aumentar a ferritina no organismo, aumentando a produção de radicais livres e envelhecimento mais rápido, para além de poder despoletar doenças associadas com o aumento da ferritina.
        No que toca a panelas de ferro, só vi duas opiniões a favor:
        * Dr. Mercola: apenas indica as de ferro fundido esmaltadas, devendo-se ter atenção à qualidade do esmalte. Apesar do esmalte ser apenas vidro em pó distribuído sobre a panela e cozido entre 650 e 850ºC (o vidro derrete e funde-se com a panela, criando um revestimento vítreo duradouro), podem haver contaminantes na tinta que dá a cor ao interior da panela. Então pelo sim pelo não… é melhor optar por panelas esmaltadas de qualidade.
        * Homeopata Ivandélio Sanctus (desaconselha completamente as panelas de ferro normais): apenas indica as panelas de ferro fundido pretas, feitas à moda antiga como a Panela Mineira de Ferro Fundido. No entanto, essas panelas exigem alguns cuidados extra como por exemplo: depois de lavar, têm de voltar para o fogo para secar porque enferrujam se ficarem com água.
        Como quando pensei em mudar de panelas, não encontrei essa marca por cá, acabei por não procurar a fundo outras marcas que poderiam ser confiáveis. Por outro lado, com a descrição sobre os senãos das panelas de ferro, não insisti na pesquisa e fiquei-me pelas de inox ou cerâmica.
        A nível de panelas de ferro fundido esmaltadas veem-se muito no 24kitchen, são aquelas coloridas com interior bege da marca Le Creuset. Nunca usei, mas aqui vai uma descrição da marca https://www.lecreuset.pt/media/wysiwyg/1spanish_home/cuidado-uso/care_use_sand_150723_12-2015.compressed.pdf (pág. 58 em português).
        Outros artigos interessantes sobre os vários tipos de panelas:
        * http://products.mercola.com/safe-cookware-alternatives/
        * https://estaoteenvenenando.blogspot.pt/2014/08/conheca-quais-materiais-fazem-mal-saude.html
        Estive a ler sobre a frigideira da De Buyer, mas encontrei pouca informação, diz que é de ferro com a cobertura de cera de abelha. Nunca tinha ouvido falar dessa técnica, mas há quem afirme que se degrada ao longo do tempo como neste vídeo https://www.youtube.com/watch?v=pLuRUBdmLMk E se isso acontecer é a mesma situação das frigideiras de ferro normais acima referidas.
        Por outro lado, também encontrei outros cuidados a ter com panelas de ferro, sejam elas de ferro ou ferro fundido, nestes dois sites
        * http://waywardspark.com/seasoning-cast-iron-with-beeswax/
        * http://www.lodgemfg.com/use-and-care/what-is-seasoning
        Beijinhos Lígia

        Gostar

    1. Muito Grataaa Eline 😍 Dos médicos que costumo seguir, nunca falaram sobre as panelas de barro. A única vez que ouvi falar algo relativo a barro, foi sobre os filtros de barro para a água que são aconselhados pelo homeopata Ivandélio Sanctus.
      Entretanto fui ver na net e encontrei as seguintes informações sobre as panelas de barro:
      – levam mais tempo a aquecer e podem deixar sabor a barro na comida;
      – O barro tem diversos nutrientes como cálcio e magnésio, mas também poderá ter substâncias prejudiciais como alumínio, antimônio, arsénico, entre outros. Segundo um estudo publicado pelo jornal Science of the Total Environment (vol. 409 (15) – Jul 1, 2011), que testou a existência e migração de arsénico em panelas de barro sem e com revestimento, concluiu que o arsénico migrava para a comida 10x mais nas panelas de barro sem revestimento. https://ireadlabelsforyou.com/clay-cookware-safe-or-toxic/
      – quanto às panelas de barro sem revestimento: se o barro não for de qualidade poderá conter chumbo, cádmio, níquel, entre outros, que migrarão para a comida durante o cozimento;
      – quanto às panelas de barro com revestimento: «Geralmente, a superfície brilhante que reveste as panelas e as caçarolas de barro é à base de pez, uma substância que, ao entrar em contacto com os alimentos, pode libertar algumas moléculas cancerígenas», revela José Empis. «Estudos realizados há alguns anos sobre a prevalência de cancro do estômago, em Portugal, concluíram que as pessoas que sofriam desta doença consumiam muitos alimentos cozinhados, durante grandes períodos, em tachos de barro». http://lifestyle.sapo.pt/saude/peso-e-nutricao/artigos/panelas-saudaveis
      Então convém mesmo saber se as panelas são de qualidade, a nível do barro e do revestimento. No entanto não encontrei indicações a aconselharem peremptoriamente a utilização de panelas de barro 😕
      Num comentário do Ivandélio Sanctus há uma tradução de um artigo do Dr. Mercola em que fala de como fazer caldo de osso em panelas de barro https://plus.google.com/+Ivand%C3%A9lioSanctus/posts/Ljx5JXRtHxh Porém como não indica o artigo original em inglês, não sei lhe confirmar se a tradução da panela está correta, pois ceramic pan (panela de cerâmica) é diferente clay pot/pan (panela de barro).
      Para já, é só esta informação que tenho sobre as panelas de barro.
      Beijinhos 😘

      Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s